YayBlogger.com
BLOGGER TEMPLATES

domingo, 5 de outubro de 2014

Gran Reserva

O vinho diminuindo no copo, o álcool subindo no sangue, as lembranças surgindo na memória
Saúde, saudade
De cor vermelha dilacerante
De cor púrpura como um bom vinho
O que sobra nessa noite vazia
É o vento lá fora
É só o vento lá fora
Das cobertas, lençóis, fronhas e travesseiros
Sobra o frio
Sobra o cansaço
Sobra essa apatia insaciável do mundo
Dos outros
O inferno são os outros
Já diziam
Sim, faz tanto frio
E sim, faz tanto tempo
Mas de que importa
É só o vento lá fora
É sempre só o vento lá fora
Não adianta dormir
Que a dor não passa
Ela fica
E em cada manhã
Ela morre
Mas no fundo, sempre fica.


Com a ponta dos dedos

A sensação era estranha. De tão nova, se fez interessante. Por que não havia provado isso antes? Nunca tinha pensado que algo tão besta seria tão intrigante. 
As pontas dos dedos roçavam sua barba e naquele ir e vir das mãos, algo ali parecia tão certo quanto a sua visita. É um homem, foi o primeiro pensamento. A barba divide os homens dos meninos. Como não suspeitou disso antes? 
A cada minuto e a cada toque o pensamento perdia um pouco do sentido, se entregava cada vez mais aquele misto de sensações. Desejos? Vontades. Vontade de passar dias com os lábios colados naquele deslizar de mãos pelo rosto sentindo a aspereza na ponta dos dedos.
Perdida, sem saber a hora ou o lugar, aceitava aquela coisa toda como uma dessas revelações que tantos gritam por aí. Meio inexplicável, aquele arranhar ganhou meu rosto, meu pescoço, todo o corpo, sem pedir licença. 
A barba define os homens me disseram. Carrega com ela os pesos, as inseguranças vencidas, as batalhas ganhas, os corpos explorados.
E vez ou outra me pego concordando com isso. 
Fica a lição aos meninos: que aprendam cedo que não adianta carros, dinheiro, status, braços malhados. Mais barba, por favor.

Café sem açúcar

Entrelaçados, no meio de uma confusão de pernas e lençóis, os olhinhos verdes, aqueles que ficam pequenos toda vez que você sorri, me olhavam daquela maneira que só eles sabem
- O que foi?
- Que foi o que?
- Por que você tá me olhando? Sabe que eu tenho vergonha
- Te admirando 
As bochechas sempre ficavam mais rosadas quando você me olhava assim. As bocas, como ímãs, nunca resistiam a se juntar e ficar coladas assim por todo tempo que achassem necessário. Abraçados, beijados, deitados, com o rosto quente e com aquele sorriso sem dentes que mostravam muito mais, esses eram meus momentos preferidos.
O filme havíamos perdido, o almoço atrasado, a volta adiada, nada importava muito mais naqueles momentos, contanto que tudo aquilo pudesse durar um fim de semana, um mês, uma vida.
E hoje, na memória tão congestionada, na bagagem tão grande nas costas, são essas as lembranças que eu escolhi guardar. Não se sabe se os olhinhos verdes continuam a sorrir daquela maneira. Ingênua. Feliz. Como se nada no mundo pudesse fazer mal algum. 
Se não tiver, a gente inventa. Afinal, foi inventando tudo que a gente aprendeu a viver.

domingo, 8 de junho de 2014

Deixa ser

Te ver assim de terno mexeu com os instintos mais primitivos do meu inconsciente, me peguei totalmente sem querer pensando em como você tinha virado assim esse tão bom partido. É o tempo, é a saudade, não é possível.. Esquece isso, menina! Desculpa, desculpa, foi só um lapso, jamais o veria de outra forma, apenas um bom amigo.
Já me disseram uma vez que o álcool, só o álcool, é detentor de todas as verdades. É uma coisa totalmente proporcional, quanto mais tempo ao lado dele, mais verdadeiras são as conversas, as relações, os olhares. Desproporcional a ele somente aquele tal de bom senso tão apreciado nos momentos de sobriedade. Foi exatamente naquele ponto preocupante que você me pediu pra te ajudar a despistar aquela paquera chata que te perseguia a noite toda. Mas é claro! Inicialmente era um abraço, um teatrinho romântico, uma piada engraçada daquelas que a gente daria muita risada sóbrios. Mas sua mão era tão firme, que perfume bom, esse abraço sempre foi assim tão apertado? As coisas foram acontecendo num ritmo que eu não sei bem, me perdi na hora que você falou no meu ouvido algo sobre aquilo ser estranho. Estranho, excitante, novo, engraçado. 
Me perdi naquele ponto.
Não me achei mais. 

quarta-feira, 4 de junho de 2014

O velho e bom companheiro

Existem duas coisas nessa vida que me assombram.
Os seres humanos, já diria "A Morte" do "A menina que roubava livros".
E o medo.
"Toda dor vem do desejo de não sentirmos dor"
Insistir em fugir, em acreditar que as barreiras cimentadas pela razão estão ali por um motivo, em achar que o velho será sempre melhor que o novo, que jamais poderá chegar alguém igual.
E se puder?
É por isso que eles me assombram. Juntos, são a combinação mais covarde que existe.
Aos frágeis, aos medrosos, aos fracos, aos cansados, aos desistentes, aos acomodados, a mim: que o único medo seja o de não vencer esse medo irracional que paralisa.

E quem me vê apanhando da vida, duvida que eu vá revidar

E pra quem chegou assim de mansinho, ele tem um dom estranho de me arrancar sorrisos adormecidos.
O canto da boca que parecia nem saber mais que podia sorrir desse jeito, tão leve e despretensiosamente, cá está mudando toda simetria de um rosto engessado. Uma alma engessada.
Um coração que insiste nessa idéia de continuar batendo, fraco e pulsante, esperando a hora que o samba vai sair e ele vai poder bater nesse ritmo frenético e descoordenado que ele tanto vê por aí, mas nunca pode participar.
Será que o carnaval pode chegar fora de época? Fora do senso, fora do comum, fora do habitual. Fora de todos esses padrões malucos e todo esse cimento que dá base a muralha pessoal?
Tô me guardando pra quando o carnaval chegar
Se não chegar, o samba enredo está pronto, vamos sambar.

Pérola negra

"Baby, te amo, nem sei se te amo. Tente passar pelo que estou passando."
Luiz Melodia tocando no som e aquela sensação de nem sei se te amo.
"Rasgue a camisa, enxugue meu pranto"..
Pranto?
Todo mundo sabe que te amo, te amo. Só eu não sei mais, nem sei mais tanto.
Nem sei se te amo.
A dúvida já basta.
É mais que suficiente pra um coração cansado
Foi tão e tanto "Tente me amar pois estou te amando"
Que o mundo fica todo poesia
Quando toca "..nem sei se te amo"

domingo, 25 de maio de 2014

diadeMaíra - pequenasfelicidades - happydays



Dia 53: and in that moment, I swear we were infinite 😌.. Momentos que a gente “feel infinite”



Dia 54: tá pra existir algo que uma boa amiga, um bom samba, uma boa cerveja e uma boa comida não curem ❤️



Dia 55: aprender coisas novas e que metem medo



Dia 56: a delicia da Virada Cultural em boa companhia com direito a ida ao samba depois ❤️



Dia 57: domingo de chuva com uma boa pipoca e um bom filme ❤️



Dia 58: acabar a maldita prova de fim de estágio e pensar que logo menos acaba esse estágio, 5 semanas eteeeeeernas



Dia 59: as carinhas de felicidade após encher o bucho de pernil e batata 😂 hahahah nada mais justo pra uma terça-feira



Dia 60: nada como arrumar o quarto e achar esses pedaços de nostalgia ❤️



Dia 61: por que rir da desgraça alheia quando podemos rir da nossa? Hahaha é mais ou menos que fazemos todo dia.. Porque só o bom humor salva e no meu caso, elas salvam todos os dias



Dia 62: é até repetitivo botar aqui que minhas pequenas felicidades são essas risadas fáceis e sem sentido até no piores momentos (vide medcurso).. Mas são hahahaha.. aaah, e hoje foi dia de chuva ❤️



Dia 63: sábado é sábado, até sem fazer nada já é um dia feliz! Com almoço em família e jantar em boa companhia, ele fica melhor ainda



Dia 64: domingando no cinema, nada mais justo

quarta-feira, 14 de maio de 2014

hojeédiadeMaíra



Dia 41: família toda reunida num almoço delicioso ❤️.. Que venha o casamento!



Dia 42: dispensa qualquer legenda ❤️❤️❤️❤️


Postando um pouco atrasada e foto roubada porque (ainda bem) mal parei o fim de semana todo, coisa boa
Dia 43: domingo com jantar com as amigas. Comida boa + amigas curando a ressaca e a tpm



Dia 44: tinha esquecido o quanto exercício faz bem pro espírito.. Chega de preguiça! De volta ao #projetoverao2015 hahahah



Dia 45: um plantão tranquilo, amém



Dia 46: nada como experimentar coisas novas, renova as energias! Ballet fitness matando o corpo, mas curando a alma hahahah



Dia 47: ah, vai.. Vez ou outra a gente pode roubar e colocar duas fotos! São duas coisas que me fizeram realmente feliz hoje: primeira aula de muay thai e receber um vídeo do ídolo Chulapa me mandando um abraço! Muitas porradas e risadas depois, boa noite :)



Dia 48: um filme fofinho e engraçado que eu não sei porque não vi antes ❤️ sim, sou besta hahaha :)



Dia 49: dias de sextasabadodomingo são dias muito difíceis de escolher a alegria do dia.. Amigas reunidas, bom vinho, boa comida, meu par de luvas novas pro muay thai, a obrigação de fazer compras se tornando diversão ao lado de um amigo.. Mas enfim, resolvi escolher essa mensagem de agradecimento de uma das pessoas que eu mais admiro nessa vida! Se tornou um grande amigo sem nem pedir licença e agora está lá do outro lado do mundo. Faz minha felicidade! E já fez possível um dos meus maiores sonhos: ter uma música minha



Dia 50: plantão da cirúrgica ainda mais domingo e em dia das mães é a morte, mas em boas companhias que aceitam ir no tempo de folga comprar água de coco e passear no parque, tudo fica melhor hahahah :)



Dia 51: parabéns Lili!!! ❤️❤️❤️ happy moment com amigas e champagne! Segundas podiam ser sempre assim ❤️



Dia 52: pausa no dia pra comer em casa, comer bem e ao som de boa música

quinta-feira, 1 de maio de 2014

pequenasfelicidades[5]



Dia 31: chegar em casa com tempo livre pra alimentar o vício, amém! Hahaha 
Harvey & Mike ❤️



Dia 32: licenciamento resolvido, unhas feitas, festa mais tarde.. Um dia tranquilo já é felicidade!



Dia 33: “100happydays” não seriam tão divertidos sem você, Li..alegria ter você comigo!



Dia 34: quando manter os olhos abertos e prestar atenção no medcurso é uma luta! Felicidade é acabar essa aula, chega por hoje



Dia 35: quando no meio da loucura de tudo, a gente tem um sábado assim.. Tudo fica muito mais feliz! ❤️ minhas felicidades diárias que são companheiras de casa, de vida e dos melhores momentos!



Dia 36: tarde em família no “Pé de manga” pra comemorar o dia do Mu! (Aniversário dele e eu que acabo ganhando presente na hora de comprar pra ele.. Biblioteca crescendo!)



Dia 37: cumprir os objetivos do dia e ter tempo pro hobby favorito nessa vida: seriados



Dia 38: sair cedo de casa e não voltar nem tão cedo tem suas alegrias



Dia 39: cirúrgica = qualidade de vida. Com elas então!



Dia 40: pausa no plantão e pipocas ❤️

quinta-feira, 24 de abril de 2014

Que alguma coisa a gente tem que amar, mas o quê?
Não sei mais

Os dias que eu me vejo só
São dias que eu me (des)encontro mais

segunda-feira, 21 de abril de 2014

pequenasfelicidades[4]



Dia 21: #existefelicidadeemsp.. Os velhos e bons fins de semana com as amigas em São Paulo, tem poucas coisas que gosto tanto!



Dia 22: a felicidade de um domingo com amigos, coxinhas e chopp que até parece sábado



Dia 23: sabe-se lá porque, mas os dias nublados me deixam feliz



Dia 24: de volta aos tempos de edredon e tempinho frio, ô coisa boooa! Boa noite



Dia 25: fim de estágio e a tarde livre vendo The Office.. Felicidade e vício juntos!



Dia 26: back to paradise ❤️.. Não precisa ser muito, uns diaszinhos com família, amigas e essa vista já são de bom tamanho :)



Dia 27: hoje são tantas e tantas felicidades! Dias bons são assim ❤️.. Acordar em casa, praia com amigas, muito sol, iniciar o vício em Suits, jantar com amigas.. Do começo ao fim, só felicidade :)



Dia 28: a felicidade de ter ao seu lado alguém assim, uma das melhores desse mundo ❤️



Dia 29: Sebatião Salgado e Saramago salvando a tarde de páscoa nos aeroportos da vida



Dia 30: chegar em casa de viagem e ter um ovo do seu chocolate preferido te esperando, é o que eu chamo de felicidade ❤️

pequenasfelicidades3



Dia 17: a felicidade de sair da aula antes das três! Amém



Dia 18: o luxo de um cochilo no meio da tarde ❤️.. Felicidade é pouco, o que eu sinto vai muito além hahahaha



Dia 19: obviamente veio um pouco atrasado devido a motivos maiores hahahaha mas ainda ta valendo.. Vem pro Cabaret!! Alegria dois: sem aula no dia seguinte



Dia 20: elas (e as que não tão na foto) são minha felicidade diária. Não existe um dia sem risadas, um problema que não se torne mais leve e um obstáculo que a gente não vença juntas ❤️ a felicidade especialmente hoje foi curtir a ressaca sem aula e um almoço com muitas risadas de doer a barriga hahahahah na foto: Nath se limpando de uma bela cuspida incontrolavel de coca que a Lígia deu por causa de uma piada besta e a Bibi chorando de rir ahahahahahaha

segunda-feira, 7 de abril de 2014

pequenasfelicidades2




Dia 9: hoje veio bem cedo a felicidade do dia ❤️.. Veio e ficou, ainda bem


Dia 10: a felicidade resumida em: uma amiga, um prato de camarão e um bom chopp! Mágoas devidamente afogadas no fundo do copo hahahaha


Dia 11: a felicidade do último dia no pronto atendimento do Campo Grande! Chega de ficar ilhada, chega de dengue, chega de cochilos nas macas, chega dos 25 minutos até chegar lá! Uhullll, amém!


​Dia 12: a felicidade do “estamos indo de volta pra casa”.. chegar em casa uma hora dessa só pode ser uma felicidade na companhia de amigas e muita besteira


Dia 13: é uma sexta, não tem como não ser um dia daqueles cheio de pequenas felicidades! Felicidade de ser sexta, de tomar café da manhã com professor e conhecer o serviço de resgate com tantas histórias tão legais, de não estar no Campo Grande (essa felicidade será eterna hahahah), de atender casos legais a tarde, de tomar um devido açaí e por aí vai, pois a sexta só começou! Bons são esses dias, fica até difícil escolher o que postar ❤️


Dia 14: ainda estou em tempo de postar porque o dia ainda não acabou pra mim hahaha.. Agora é só uma pausa merecida na loucura do pronto socorro, que, incrivelmente, fez meu sábado um dia extremamente feliz (cansativo também, claro). Só os loucos sabem a satisfação de um bom plantão e um plantão bem dado (nunca achei que um dia plantão seria uma felicidade, vai entender..) 



Dia 15: Domingo ensolarado, afazeres cumpridos, almoço em família ❤️



Dia 16: a arte de fazer um “relato de caso” se tornar divertida hahahahah